segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Sábado, na balada

Já tem muitos meses que a música "assim você me mata" tem sido tocada em todos os lugares do planeta. A sorte, ou azar, fez que com que eu escutasse essa música inteirinha de verdade em apenas dois lugares: na Feira Popular de Maputo e no Aeroporto Internacional de Frankfurt. A música brasileira é escutada no mundo todo. O normal, em qualquer lugar, é ouvir nas rádios ou nos elevadores as músicas em inglês dos sucessos internacionais. E é muito bom escutar a língua brasileira no meio desses playlists. Em Moçambique tocam muito Roberto Carlos, Djavan, sambas, música baiana tipo axé e também esse tipo de neo-sertanejo cantado por duplas de dois ou de um. Na Tanzânia escutei uma cantora brasileira que eu não reconheci. Talvez de algum disco da Putamayo. Na Alemanha, a bossa-nova é escutada em todo lugar e é tratada como jazz nos jornais e nos anúncios de shows. Um dia, escutei um chorinho saindo de uma loja centro de Frankfurt. Parei e fiquei ali um pouquinho respirando aquelas notas como quem destampa uma panela de feijão. O samba de Jorge Ben e de Martinho da Vila também dão a graça de surgir do nada. E eu falo dos lados Bs, não falo dos sucessos mais mastigados. Em Maputo conversei com um senhor que me disse que foi ao aeroporto junto com uma centena de fãs para receber o Rei Roberto. Isso no ano de 72! Eu nunca imaginei que a Jovem Guarda tivesse feito sucesso na África. Mais do que orgulho nacional ou vaidade pelo sucesso alheio, escutar esses sons brasileiros dá um alento, quase acalanto, para mim que estou longe de casa. Até mesmo a sanfona paranaense do "ai, se eu te pego". Mas até agora, o que mais me deu alegria de escutar foi a música Vagalumes do Affonsinho. Escutei de longe, numa feira superbacana de decoração, onde estou ajudando um pouco. A música vinha da loja que considero a mais bonita da feira. Fui reconhecendo aquela melodia, fui me aproximando. E lá estava o querido Affonsinho falando de coisas tão simples num lugar tão legal. Isso me fez arrepiar.

3 comentários:

  1. Se escrever para vc mata sua saudade um pouquinho,aqui estou saudosa tb,mas, maravilhada com seus comentários daí. Mil bjos.
    Dôra















    ência



    ResponderExcluir
  2. Saudades de vc meu caro! Ótima crônica. Quero ter ou merecer esta sensação de estar fora e quando menos esperar ser transportada pela melodia de uma linda canção brasileira. Viva o Brasil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol. Que saudade. Muito bom te ver por aqui. Beijos e viva o Brasil!

      Excluir